Futuro do pretérito na Educação ?

Futuro do presente: Maria Júlia fará.

Nos livros didáticos e gramáticas normativas, o futuro do pretérito costuma ser relacionado às noções de hipótese, incerteza e irrealidade. Na Educação, quando os governos tencionam dar um salto para o futuro, comprando tecnologias – lousas digitais, laptops, netbooks e tablets – e só depois começam a pensar como serão usados, essa atitude tem merecido os maiores questionamentos, inclusive de educadores favoráveis ao uso delas.

O Brasil continua apresentando resultados ruins nas avaliações internas e externas. Recentemente o ex-ministro (Educação) e senador Cristovam Buarque propôs a divisão do MEC – Ministério da Educação em dois ministérios. Um seria o responsável pelo ensino técnico e superior; outro cuidaria exclusivamente da Educação Básica. Isso soa como um sonho para os educadores que se dedicam ao aprendizado infantil, das crianças e adolescentes, mas a última experiência numa definição de foco – durante o governo FHC, com Paulo Renato Souza – de priorizar a educação fundamental causou uma reação muito forte das corporações das Instituições Federais de Ensino Superior, por causa do orçamento do MEC para as escolas técnicas federais, centros de formação tecnológica e universidades públicas mantidas pela União.

Nessa mesma época, Paulo Renato iniciou o Proinfo – Programa de Informática na Educação, com uma atitude bem diferente se comparada à dos governos Lula e Dilma Rousseff. Antes de comprar milhares de equipamentos – computadores – optou-se pela criação de NTEs – Núcleos Tecnológicos Educacionais, destinados à familiarização dos educadores com as novas tecnologias.

O editorial “Tecnologia sem pedagogia”, publicado hoje no jornal ‘O Estado de São Paulo’ – http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,tecnologia-sem-pedagogia-,835153,0.htm – reflete o cenário do desperdício da tecnologia e de dinheiro que poderia ser melhor aplicado na melhoria das condições de oferta de ensino no país.

Na passagem do bastão de Fernando Haddad para Aloizio Mercadante, na condução do MEC, todas as mídias vinham anunciando a aquisição de 900 mil tablets, em princípio para uma parte dos alunos das escolas públicas (na verdade é para professores), ao custo de R$ 330 milhões.

Essa compra soma à aquisição de 150 mil laptops do projeto “Um aluno por Computador”, na época de Lula na presidência da República, cuja maioria está em desuso por falta de orientação de como fazer e aplicar ao aprendizado. Não tenho dúvida em relação à importância da tecnologia como instrumento de Educação, mas o país precisa chegar ao futuro em sintonia, para não ficar no pretérito, fazendo de conta.

Ademais, o momento é muito oportuno, com ministro novo, para tentar acertar o foco e o ritmo, sem descontinuar as políticas públicas educacionais que vêm dando certo! Ou não?

Comente ou link essa página

Nome:

Email:

Site:  

Comentar: