Iguais perante as leis

Ideia do privilégio, na cabeça do brasileiro, está associada à impunidade. Foto: Reprodução da Internet

Os passos dados até agora pelo Congresso Nacional, para o fim do foro privilegiado em casos de crimes comuns e corrupção, não me surpreendem. Apesar de não ser comum vê-los votando contra si mesmos, não nos alegremos ainda. Tenham em mente que um dia poderíamos ter uma reforma política e eleitoral, por exemplo, se fosse normal essa postura.

No momento atual, os privilégios da classe política federal estão em questão, apesar de que em parte sejam prerrogativas da função, onde cargos e atividades demandam garantias de quem os ocupa, atuando com respeito à Constituição e com tranquilidade. O próprio STF cogita manter o foro se o crime for cometido no exercício do mandato ou relacionado aos cargos ocupados.

Acho oportuno recordar a tramitação da PEC, de autoria do então deputado federal Paulo Renato (PSDB-SP), falecido em 2011, que em 2007 propunha a criação do Tribunal Superior da Probidade Administrativa. Faz dez anos. Fui informado nesta semana, pelo líder do PSDB, deputado Ricardo Trípoli, que ela está pronta para ser pautada e votada pela Câmara.

Conforme a proposta, o Tribunal terá a atribuição de julgar as ações penais de crimes contra a administração pública e ações penais de improbidade administrativa, com altas autoridades públicas, e que hoje superlotam os tribunais superiores, sem decisão.

Paulo Renato quis atacar o ponto central do problema da corrupção, a impunidade. Ele já dizia que a corrupção não diminuirá enquanto não houver o indiciamento dos réus, o devido processo legal, com julgamento e punições.

Essa sequência de eventos republicanos e democráticos não ocorre hoje na maioria dos casos. Quando acontece, os processos são tão longos que os seus efeitos pedagógicos se perdem no tempo. Por isso, na cabeça do brasileiro, a ideia do privilégio vem forte, dada a tradição de impunidade.

Concretamente, a Operação Lava Jato se tornou uma referência de mudança, porque pressiona as instâncias superiores do Poder Judiciário (STF, STJ). Daí a atenção para o comportamento atual, que pode aparentar uma autofagia do Congresso Nacional, revendo o foro privilegiado.

Mas quem pressiona não é a sociedade, apesar de se manifestar descrente da classe política, nas recentes pesquisas de opinião. A pressão acontece pela contagem regressiva de 2018, ano de eleições para deputados e senadores.

Mesmo assim, acho que vale a pena aplaudir esse esforço de sintonia com as aspirações da sociedade. Embora isso não os redima dos envolvimentos com as denúncias sobre mensalões, petrolões, JBS etc., além das inconfessáveis contas de financiamento das suas campanhas passadas.

A PEC do fim do foro privilegiado, na prática, acaba com o direito de autoridades, como ministros, deputados e senadores responderem a ações penais em instâncias superiores, mas mantém essa condição aos presidentes da República, da Câmara dos Deputados, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF).

Não será do dia para a noite que a emenda será aprovada, mesmo passando em dois turnos no Senado. A Câmara precisa dar agora, pelo menos, 308 votos dos 513 deputados. E o relatório do deputado Efraim Filho (DEM-PB) enfatiza que “o fim do foro privilegiado não afastará apenas a ideia de blindagem de certas autoridades, especialmente em casos de corrupção, mas resgatará o princípio republicano de que todos são iguais perante a lei”.

De outro lado, a devolução dos processos à primeira instância poderia beneficiar alguns alvos nos Estados, por suposto tipo de influência junto às esferas forenses” perto das suas paróquias eleitorais.

Dos efeitos pedagógicos da improbidade administrativa, na contramão da honestidade e legalidade, desrespeito à ordem jurídica e à função pública, que geram a corrupção administrativa, nasce o “Guia Prático da Probidade Administrativa”, de autoria do santista José Ernesto Furtado de Oliveira, promotor público aposentado do Ministério Público Estadual de São Paulo, que anseia imunizar quem pretende governar ou atuar em governos dentro da lei. Fica a dica.

5 já comentaram! Comente ou link essa página
  1. João Márcio Nascimento Martins comentou:

    Isso melhore o nosso pais

  2. Marília Saraiva Campos comentou:

    Gostei muito Parabéns

  3. Maurício Simonato comentou:

    A criação de um tribunal de dieito administrativo criado com juizes especializados, de carreira, certamente ajudaria muito a justiça como um todo. Em realidade creio que o grande erro da Constituição é a nomeação dos ministros do Stf, stj e demais tribunais superiores, pois creio que deveriam ser compostos por critério de meritocracia, seriam mais independentes e imparciais. Parabéns caríssimo Raul Christiano pelo texto realista e sereno, como é sempre de sua natureza!

  4. Maria Emilia Botelho comentou:

    Excelente análise Raul. Não sabia da proposta do Tribunal Superior da Probidade Administrativa do saudoso Paulo Renato, apesar dos dez anos para ser aprovada, será mais um passo importante para moralização de nosso país. Só espero que consigamos tb o fim do foro privilegiado. Parabéns pela objetividade e clareza de texto.

  5. Boa tarde Professor Raul, meu nome é Erika Affonso, eu preciso muito passar para o Sr. tudo que aconteceu comigo no PSDB, ESTIVE NA REUNIÃO DO DIRETÓRIO NO ÚLTIMO DIA 27 DO MÊS E ANO EM CURSO .
    Acredito que Sr. não irá se recordar de mim, mas me aproximei do Sr e do Dr. Pedro Tobias após o termino da Reunião da Executiva.
    Dr. Pedro Tobias, chegou a mencionar minha situação para o Sr. Ele disse a seguinte frase :” Essa menina, Bananais, (ele não consegue pronunciar corretamente o nome do meu município rsrsr, que é Bananal), foi massacrada no PSDB.
    Eu não vou desistir de fazer justiça.
    A injustiça que se faz a um, é uma ameaça que se faz a todos.
    Barão de Montesquieu
    Meu contato é 12 991299777.
    Obrigada !!
    Erika Affonso.

Nome:

Email:

Site:  

Comentar: