Em torno da saudade !

O editorial "Chega de saudade", publicado hoje pelo jornal "Folha de São Paulo", é um manifesto ao respeito pela história das realizações e das pessoas que tornaram presente o sempre cantado em prosa e verso Brasil do futuro. O texto desconstrói a tese e as provocações comparativas entre os governos FHC e Lula, que vem orientando a candidata a presidente da República do PT, trazendo à leitura de maneira reta e direta considerações que não escreveria melhor. O jornal, com esse posicionamento, não toma um lado em relação à disputa eleitoral, como certamente interpretarão contrariamente os lulopetistas e seus macacos amestrados nas redes sociais, mas oferece aos seus milhares de leitores uma honesta viagem à história recente do nosso país.

Escrevi em muitas outras oportunidades sobre não ter qualquer receio das comparações insinuadas pelos petistas. Pois não me surpreendo com a soberba dos lulopetistas, motivados pelos elevados índices de popularidade de Lula. O PSDB já venceu Lula no embate direto, em 1994 e 1998, quando Fernando Henrique Cardoso foi eleito e reeleito presidente da República logo no primeiro turno das eleições. Em 2002, com José Serra, Lula venceu apenas no 2.º turno, repetindo o feito em 2006, com Geraldo Alckmin. O mesmo Lula perdeu para o PSDB quando turbinou com a sua popularidade a candidata a Prefeitura de São Paulo, Marta Suplicy, em 2004 contra José Serra e em 2008 quando enfrentou o seu aliado Gilberto Kassab, do DEM, revelando a insuficiência da sua capacidade de transferência de votos.

Porém, uma eleição nacional requer uma atenção maior, principalmente quando a sua disputa se dará num país que abriga vários Brasis, e que há uma sociedade reclamando do atraso das consequências benéficas das políticas estruturantes desde os governos de Itamar Franco e FHC, com o fracasso do Programa de Aceleração do Crescimento – PAC, que foi planejado para cumprir esse papel em relação à infra-estrutura em todo o nosso território, mas que não aconteceu pela incapacidade de gestão do PT e da sua propalada mãe, ex-ministra Dilma Rousseff.

Sobre a análise editorial da Folha grifei algumas passagens que valem refletir, como por exemplo: … "Não se sabe o que pesa mais nessa estratégia enviesada, se a obsessão íntima do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de se medir com o antecessor Fernando Henrique Cardoso ou a percepção de que é mais vantajoso para a representante da situação transformar eleições que decidem o futuro do país em avaliação de fatos passados."

Ou ainda: … "Se pretende incursionar pelo passado, poderia a candidata lembrar a seus potenciais eleitores que o Partido dos Trabalhadores negou sustentação ao presidente Itamar Franco e bombardeou o Plano Real. Ou seja, opôs-se de maneira pueril e ideológica a uma das mais notáveis conquistas econômicas da história moderna do país, que propiciou aos brasileiros pobres benefícios inestimáveis, sob a forma de imediato aumento do poder aquisitivo e inédito acesso ao sistema bancário."

Continuando: … "Sabe bem a ex-ministra que se alguém nesses anos mudou de pele foi antes o PT do que o PSDB. O que terá sido a famosa ‘Carta aos Brasileiros’ senão uma providencial e pública troca de vestimenta ideológica do candidato Lula – que, eleito, sob aplausos do mundo financeiro, indicou um tucano para o Banco Central (agora no PMDB) e um ex-trotskista com plumagem neoliberal para a Fazenda?"

Por fim, assino embaixo quando conclui que "o Brasil precisa pensar e agir com os olhos no futuro. Nada tem a ganhar com a tentativa da candidatura governista de forjar uma revanche de disputas pretéritas. Se o presidente Lula não venceu a contenda com Fernando Henrique Cardoso em 1994 não será agora que o fará – pelo simples motivo de que nenhum dos dois é candidato. O governo que se encerra neste ano teve méritos inegáveis, mas muitos deles, é forçoso reconhecer, nasceram de sementes plantadas no passado."

13 já comentaram! Comente ou link essa página
  1. O direito de comparar
    (publicado na revista Caros Amigos)

    A mídia conservadora menospreza o tom plebiscitário das eleições presidenciais porque tem horror a promover um confronto direto entre os resultados dos governos FHC e Lula. Embora a imensa aprovação ao petista represente um julgamento público que jamais estaria dissociado de méritos administrativos, seu caráter subjetivo permite atribuí-la parcialmente ao carisma ou a índole populista do mandatário. Já as estatísticas são perigosas, pois menos permeáveis a contaminações ideológicas de qualquer espécie.
    Por isso há tamanho esforço para omitir os dados existentes ou diluí-los em amostragens de longa duração. A previsível tendência evolutiva dos grandes períodos atenua as particularidades das gestões, conferindo base pseudocientífica a falácia de que elas foram semelhantes e indissociáveis. O passo seguinte é adotar o discurso oposicionista contra a “malandragem de Lula”, não apenas para roubar-lhe a discutível glória de superar seu medíocre antecessor, mas porque, em 2006, a candidatura de Geraldo Alckmin ruiu no momento em que o impopular FHC foi trazido ao debate.
    A tentativa de desqualificar as comparações é uma estratégia antidemocrática para empobrecer a campanha eleitoral em favor da candidatura do PSDB. O golpe visa neutralizar um elemento fundamental da definição do voto, mais importante ainda quando a escolha envolve continuidade e ruptura, personificadas por partidos adversários, que protagonizaram governos sucessivos. Excluída a possibilidade de cotejar experiências administrativas, restam demagogias, ataques pessoais e falsas reputações fabricadas pelos tendenciosos veículos de São Paulo e Minas Gerais.
    A imprensa viola suas prerrogativas constitucionais quando sonega informações cruciais para o exercício da cidadania. O eleitor tem o direito de conhecê-las, e só ele pode julgar sua relevância.

  2. Qual é a maioria no Brasil, Eleitores da classe média para baixo ou da classe média para alta?
    Com certeza a media para baixa gerada por madandatos passados antes Lula, então sinto muito por voces mas terão que engolir o Lula e seus “macacos amestrados” como vcs dizem, por váaaaaarios mandatos TUCANADAS…

  3. maria cruz comentou:

    As máscaras vão caindo pouco a pouco. Não há Mentira que resista a verdade dos Fatos.
    E tenho pena deste senhor do comentário acima. Merece ir ao oftalmologista para operar a miopia política que se instalou em sua mente e visão.

  4. marisa cruz comentou:

    Desculpe a falha de digitação. Meu nome é marisa e não maria.

  5. Sei q vc é idealista e defensor do PSDB, mas a verdade é q o Lula se fortaleceu por falta de uma oposição firme. O PSDB não fez a lição de casa e tb não foi bom aluno, pois se tivesse aprendido a fazer oposção sistemática como fez o PT todo o tempo q esteve sem o poder é claro q seriam outros e de menores índices de popularidade do Lula. Nem se venha dizer q o Lula, hj, é um ícone e nessa condição está apartado da sigla partidária, que isso é pueril. O fato inconteste é q se deixou pra imprensa o papel principal da oposição: resistir o programa de governo estabelecido com outro de melhor solução…e, o pior, é q essa “imprensa”, na maioria, é aliada do PT e, hj, do “Lulismo Roussefiano”. Minha esperança é q, ainda q em plena campanha presidencial, o PSDB retome o seu papel principal ora amortecido e apresente OPOSIÇÃO inteligente a tudo que o “Lulismo Roussefiano” representa: continuidade da maioria dos programas do FHC com encaminhamentos e alterações no mínimo discutíveis. QUE VENHA LOGO O HORÁRIO e a CAMPANHA ELEITORAL!

  6. machado comentou:

    Raul, com relação as comparaçÕes dos feitos do governo FHC e as cópias tiradas pelo pt, na maioria dos projetos executados no governo do Presidente Fernando Henrique, esta mais do que compreeendido pelas pessoas de boa fÈ.
    Precisamos virar essa pagina e todos sabemos que a eleiçâo do Serra X Dilma acontecera sobre o que fizeram em benefìcio do Brasil, e portanto sÓ vai dar Serra.
    Portanto:
    serra nela!

  7. Betão comentou:

    Raul, como chega de saudades, a saudade está no coração dos homens, cantada em prosa e verso pelos poetas, é uma parte do nosso ser. Sinta esse poema do velho Chico Buarque: Oh, pedaço de mim
    Oh, metade afastada de mim
    Leva o teu olhar
    Que a saudade é o pior tormento
    É pior do que o esquecimento
    É pior do que se entrevar
    Raul, já decretaram o fim da História, agora pregam um mundo sem lembranças, sem recordações, sem comparações.
    Que forças conseguirão sufocar a saudade de Ana Hickman nos corações tucanos depois do lançamento do Serra?
    Raul, sem medo de ser feliz,recordar é viver…Abraço

  8. Ernesto Donizete da Silva comentou:

    No que tange ao texto da Folha de São Paulo, não pretendo entrar nos detalhes prolixos que podem ser exarados.

    Acredito ser importante, “ter os olhos no futuro”, desde que no PRESENTE pautemos nossas ações. Falta mais ação, muita ação e menos discursos falaciosos. Faltam líderes, faltam pessoas que saiam de “cima do murro”, que não fique pondo um pé em cada canoa… que se posicionem e assumam suas posições com clareza.

    Lula, como bem demonstra os exemplos dados, não irá conseguir “aderir” na Sra. Dilma (mãe do fracassado PAC) sua popularidade. Aliás:

    Quem é a Sra. Dilma???

    Com quantos votos foi eleita nos outros cargos eletivos que teve???

    O que fez além de ser uma “patricinha da ditadura”??? Pois só tratava do dinheiro!!!

    Quais são mesmos os títulos falsos que registrou no site do MEC???

    Aonde foi “parar” os laptops da Petrobrás, com as informações sobre o pré-sal???

    Assim, o que temos de fazer, enquanto tucanos, é torcer em primeiro lugar para que os componentes da “alta plumagem” reconheçam inúmeros companheiros capazes que fazem parte dos seus quadros- valorizando-os e motivando-os a erguer as mangas não somente rumo ao Governo Federal, com SERRA, mas também no Estado de São Paulo com ALCKMIN, na Assembléia Legislativa com BRUNO COVAS e no Congresso Nacional com RAUL CHRISTIANO.

    A “coisa” é assim, preto no branco, marcando com autonomia minha postura e opinião; pois o segredo é ser “livre e de bom costumes”.

    Acorda Povo Brasileiro!!!

    Ernesto Donizete da Silva
    PSDB/SANTOS

  9. Pois é Sra. de baixo digitando errado né, pelo visto também está precisando visitar um Oftalmogista heim rsrs

    O que importa a Nação não é quem é ou que foi Dilma, mas sim quem foi e quem é o Lula que apoia e apoiará a candidata Dilma “CUMPANHEIROS”…

  10. Francisco comentou:

    O que importa a Nação é termos um governo digno e sério, cumpridor de suas promessas, o que não foi o caso do PT e do Sr. Lula, que se vangloria se aproveitando das políticas economica deixadas pelos govs. do Itamar e FHC, fora isso, o que o Sr. Lula e o PT fez???
    A segurança, saúde, educação, moradia, reforma agrária, infra estrutura de estradas, portos e aeroportos estão uma tragédia, quem não concorda vá conferir!
    A esperança ditada pelo PT, virou m..da!
    Veja a traição aos aposentados, pensionistas e trabalhadores, quando no recadastramento humilhativo do Berzoine, no veto da correção de 16,76% em 2006 pelo Pres.Lula, e na manobra que fizeram em dez/2009 para não aprovarem os projetos do Sen.Paulo Paim do PT, que corrigia e eliminava o redutor dos salários dos aposentados e de quem vai se aposentar. Partido dos Trabalhadores?????
    Mentiu para o próprio amigo senador dizendo que se o Senado e a Camara aprovassem ele não vetaria, é claro, ele não deixou a Camara votar!
    Gastou milhões comprando o Aerolula e mandando o astronauta brasileiro fazer turismo no espaço em detrimento das necessidades do povo brasileiro!
    Perdou dívidas de vários países e emprestou dinheiro para o FMI, e não pagou os aposentados e deixou a segurança, saúde, educação, moradia e estrutura na pior!
    Na ancia de querer pertencer ao Cons. de Seg.da ONU, enviou tropas e ajuda ao Haiti, se esquecendo das necessidades do povo brasileiro, que tambem precisam de segurança e ajuda, a miséria é a mesma!
    Hipocritamente, fizeram festa no comite olímpico, até choraram, gastando um dinheirão para o Brasil poder sediar
    a copa e as olimpíadas, em detrimento das necessidades do povo brasileiro (segurança,educação, saúde, etc.etc.etc.)
    Gerariam muito mais emprego se atendessem as necessidades do povo.
    Agora querem continuar no poder elegendo a continuidade?
    Como ex-eleitor do PT, tenho sim o direito de cobrar minhas decepções com as incoerências de um partido que acreditei, pois trairam o meu voto, e, em terra de cego,
    quem enxerga é Rei!!
    Serra para presidente e honestidade e coerência daqui pra
    frente!!!

  11. Elaine Silva comentou:

    O que vc acha Raul…

    Engraçado as pessoas falaram de bons costumes sendo tão arrogantes, gananciosas e, acharem ser o centro do universo!

    Não adianta falar bonito, querendo parecer uma boa pessoa, uma pessoa do povo…. seu egocentrismo é exacerbado, um dia virá a tona…

    as máscaras não são eternas….

    Abraços

  12. Grom disse: Rauuuuuuuuul… tem até russo no blog heim… mesmo sendo para anunciar o site rsrsrs

    Porque o FHC bla bla bla… e o Lula bla bla bla… e a Dilma bla bla bla…, vamos ver nas urnas a vontade da MAIORIA no Brasil, se a vontade popular for a Dilma ou o Serra para Presidente, que a democracia seja respeitada por todos, indeferente de partidos, sexo, credo…

  13. Emílio César Puime Silva comentou:

    Caro Raul, o seu texto assertivo exprime a realidade dos fatos, qual seja, “o texto desconstrói a tese e as provocações comparativas entre os governos FHC e Lula, que vem orientando a candidata a presidente da República do PT, trazendo a leitura de maneira reta e direta considerações que não escreveria melhor.”

    Lamentável que alguns “iluminados” afirmem que o texto é prolixo.

    Em realidade, o texto é esclarecedor no tocante a participação dos atores políticos envolvidos.

    Outrossim, não devemos menosprezar a candidata do “governo” (???) atual, pois, ela vem apoiada por milionária campanha publicitária.

    Ressalta-se que a população brasileira é composta em sua maioria por pessoas de baixo nível educacional, bem como, beneficiárias do bolsa família.

    Agora, caso alguns estejam insatisfeitos nas fileiras tucanas, podem buscar outras hostes, como aliás, já o fizeram em tempos recentes.

    Afinal de contas, o livre arbítrio pode e deve ser exercitado em sua plenitude, conforme preceito constitucional.

Nome:

Email:

Site:  

Comentar: